#Notícias Unitoledo
 
 

Você no Mercado: a coordenadora de Jornalismo, Melissa Carolina de Moura explica como o profissional pode se destacar

Rafaela Tavares

O profissional do jornalismo investiga fatos, produz conteúdos em texto ou audiovisual de interesse geral, torna acessíveis as informações a diferentes camadas da sociedade. Seu trabalho pode ser desenvolvido em veículos da mídia, sejam impressos, televisivos, radiofônicos ou digitais. Ele também pode atuar como assessor de comunicação, fazendo o intermédio entre empresas ou organizações e seus públicos internos ou externos.

“O jornalismo é um mercado bem amplo”, afirma a coordenadora da graduação no UniToledo, Melissa Carolina de Moura. Ela explica sobre as possibilidades de quem se forma na área, quais os segmentos que mais absorvem o profissional atualmente e qual tipo de jornalista tem mais chances de empregabilidade. “Vamos pensar que o que faz o mercado não é só a economia, mas também é a pessoa. “ Melissa dá dicas sobre quais competências o aluno que opta por jornalismo deve desenvolver e como alcançar esse objetivo. Confira a entrevista:

MERCADO
O jornalismo é um mercado bem amplo. Então, o aluno formado em Jornalismo pode trabalhar nos meios de comunicação, em diferentes áreas, desde a pauta, apuração, pesquisa jornalística, jornalismo de dados, até a reportagem. Dentro dos meios de comunicação, ele pode escolher qual função exercer. Fora desses meios, ele pode atuar em assessoria de comunicação. A gente tem assessoria de comunicação em empresas, clubes esportivos, organizações não-governamentais, instituições públicas, instituições privadas. Além disso, é possível ser empreendedor, lançar produtos jornalísticos e aí trabalhar desde a gestão de uma empresa jornalística até essa parte da informação e da produção de conteúdo. Eles podem atuar também na docência. Alguns optam pela área da pesquisa e aí consequentemente a docência vai ser o caminho, dando aula nos cursos de Jornalismo, Publicidade ou Relações Públicos. O jornalista hoje pode também ser funcionário público. Os concursos acabam possibilitando que ele atue nas diferentes áreas dentro da organização pública e exerça as diferentes funções do jornalismo.

ABSORÇÃO
As áreas que mais têm absorvido profissionais é a assessoria de comunicação – dentro da área esportivo, de saúde – e a gestão e produção de conteúdo. O jornalista acaba dividindo espaço com os publicitários. Ele tem uma noção da linguagem jornalística, do texto e da informação que pode ser noticiosa e gerar conteúdo nesse formato. E na assessoria de comunicação ele pode trabalhar a comunicação organizacional, o jornalismo empresarial e corporativo.

PROATIVIDADE
Vamos pensar que o que faz o mercado não é só a economia, mas também é a pessoa. A gente trabalha aqui a formação das competências, o aprimoramento das capacidades daquele aluno que é proativo. O mercado vai absorver aquele quem é proativo. Não é só a economia que vai dar as diretrizes da absorção. O aluno pode ver que há espaços para ele conduzir a informação da melhor forma possível. Vai depender muito mais do profissional do que do mercado em si.

PREPARO
Uma forma de o aluno se preparar para esse mercado, primeiro, é ele aproveitar as orientações oferecidas pelos professores no curso, as possibilidades geradas dentro do curso e as atividades de extensão.  Há as atividades próprias do curso, como a produção da revista laboratório. A segunda coisa é ele preparar o portfólio por meio do estágio e da atividade complementar que ele realize. Ele também consegue criar um networking assistindo as palestras, ou vivenciando nas visitas técnicas um contato com os profissionais. Para quem constrói um portfólio durante o curso, ter esse networking vai ajudar muito na formação.

ESTÁGIO
O estágio no curso é obrigatório no último ano, mas todo estágio que ele fizer do primeiro ao terceiro ano é revertido como atividade complementar, que acaba integralizando o currículo dele. Ele precisa ter 400 horas de atividade complementar. Sem dúvida que o estágio vai contribuir para isso. Mas não há só a questão curricular, há a experiência que ele adquire desde o primeiro ano fazendo o estágio. Aqui nós temos oportunidades de estágios que a TV UniToledo, a Rádio UniToledo e o Marketing da instituição oferecem nos eventos institucionais. Há atividades de extensão, eventos realizados em parceria com a Publicidade, nos quais eu oriento que os alunos realizem a cobertura jornalística. Tudo isso acaba conduzido a uma formação mais enriquecedora.

PÓS-GRADUAÇÃO
Fazer pós é fundamental. Nesse mercado altamente competitivo onde o profissional é quem faz a diferença, se ele tem a possibilidade de fazer uma pós graduação, ele vai se diferenciar. Outra coisa importante, além da pós, é ler muito, desde o primeiro ano. Nem que seja pelas leituras de hobbie, gibi, mas é preciso praticar a leitura. A segunda questão é dominar outro idioma. Por mais que o curso oportunize o inglês e o espanhol aplicado, ele também precisa fazer um curso de idioma. Todos elementos tornam o aluno um profissional diferenciado.

EMPREGABILIDADE
Graças a Deus, pelo que eu tenho observado, a maioria dos egressos proativa, que de fato fez jornalismo por gostar de jornalismo está empregada. A gente tem aí os profissionais não só em Araçatuba ou regionalmente, mas nacionalmente ocupando espaço e demonstrando que são ótimos profissionais.